Eventos

2023-10-12

Bom dia, é sexta-feira 13. Cruzes, canhoto!

 
Perante lendas e teorias, quando há uma sexta-feira 13, os supersticiosos evitam cruzar-se com um gato preto, passar por baixo de escadas, partir espelhos e outras crenças que podem trazer mau agouro. É hoje. Lagarto, lagarto, lagarto...
 
   Mas, afinal, qual é a origem da sexta-feira 13? Que explicações apresenta a História? 

   Há uma tradição, principalmente na cultura ocidental, que associa o número 13 e também a sexta-feira ao azar. Por isso, o dia 13, quando cai na sexta-feira, é considerado um dia de infortúnio, e os mais supersticiosos evitam alguns hábitos. No entanto, a origem do medo que algumas pessoas têm da sexta-feira 13 é desconhecida.

   Existem algumas versões que justificam a má fama da data, uma delas ligada ao cristianismo. Na sua última ceia, que aconteceu numa quinta-feira, Jesus teria reunido com seus 12 discípulos, totalizando 13 pessoas na refeição. Entre eles, estava Judas, o traidor. Jesus morreu no dia seguinte, uma sexta-feira.
 
   A tradição cristã ainda une o facto do seu líder ter morrido numa sexta-feira ao facto do livro do Apocalipse apontar o número 13 como a marca da besta, do anticristo. A imperfeição do número 13 também está ligada às inúmeras referências ao número 12 na Bíblia (12 tribos de Israel e 12 discípulos), sendo assim, o número 13 destoaria do projecto de Deus.

   Não saindo do pensamento cristão, há uma linha teórica que afirma que Adão e Eva comeram o fruto proibido numa sexta-feira e que Caim teria matado Abel nesse mesmo dia da semana.

   Outra possibilidade de explicação para o «terror» que envolve a sexta-feira 13 está relacionada com a mitologia. Segundo uma história de origem nórdica, o deus Odin teria realizado um banquete e convidou outras doze divindades. Loki, deus da discórdia e do fogo, que não teria sido convidado para a reunião, ao ficar sabendo do banquete, armou uma confusão que terminou na morte de um dos convidados. Diz a superstição que um encontro com 13 pessoas termina em tragédia.

   Agora fixemo-nos na monarquia francesa. De acordo com a História, o rei Felipe IV sentiu o seu poder ameaçado pela influência exercida pela Igreja dentro do seu país. Na tentativa de contornar a situação, ele tentou filiar-se à prestigiada ordem religiosa dos Cavaleiros Templários, mas foi recusado. Com raiva, o rei teria ordenado a perseguição dos templários numa sexta-feira, 13 de Outubro de 1307.
 

Artigos Relacionados

« Voltar