Eventos

2023-04-03

Jovem médico escolheu Estremoz para ganhar experiência e admite voltar no futuro

 
Cláudio Castro, 29 anos. É de Sintra e tirou Medicina na Eslováquia. Aceitou o conselho de um colega de Borba, que lhe apontou as urgências do Centro de Saúde de Estremoz como uma «boa hipótese» para início de carreira. Pelo menos, enquanto espera pelo exame da especialidade agendado para Novembro. Depois se verá, mas diz que os bons acessos tornam possível um regresso ao Alentejo
 
TEXTO l Roberto Dores
 
   «Decidi fazer um tempo de experiência em Estremoz e acabei por gostar das pessoas. Gosto como as equipas interagem e isso prendeu-me cá», conta o jovem médico (à direita na foto principal, ao lado do colega Tiago Silva), ambicionando seguir Neurologia - em função da nota - admitindo que o futuro profissional até pode passar por esta cidade alentejana, à boleia de alguns «turnos».

   Diz que os acessos entre Lisboa e Estremoz viabilizam essa possibilidade. «Chega-se rapidamente de um lado ao outro e isso é uma grande vantagem que eu vejo em Estremoz. Por isso digo que podia ter escolhido outros locais para ganhar experiência, mas estou muito contente com o que aqui encontrei», sublinha, rendido à proximidade que existe entre profissionais e utentes.

Secretária de Estado da Promoção da Saúde, Margarida Tavares, destacou papel das autarquias no sector

   «Eles sabem quem nós somos, quem está de serviço e até contam situações da sua vida que não contariam a outros profissionais, com quem não tivessem confiança. Estive cá no Natal e percebi que alguns idosos, até podiam ter algumas maleitas, mas vieram cá apenas para conversar», relata o médico, sem perder de vista que «em Lisboa seria apenas mais um».

   O colega Tiago Silva, de 26 anos, chegou a Estremoz apenas em Janeiro. É de Vila Real e também estudou na Eslováquia, estando a aguardar pelo exame de Novembro. Ainda não sabe o que se vai seguir, mas diz que, dificilmente, o seu futuro passará pelo Alentejo. «Vou dar preferência a zonas mais próximas de casa. Aqui estou a 500 quilómetros», recorda.


   Apostou em Estremoz, aconselhado por Cláudio Castro. Assume, ainda assim, estar «encantado com a tranquilidade que encontrou» e elogia a gastronomia que tem descoberto na cidade. «Parece que o Verão é que é muito quente. Falam-me em 40 graus e mais. Vamos lá ver como vou resistir», diz.

   Elogia ainda a relação de proximidade que aqui encontrou entre médicos e utentes, considerando ser uma vantagem na prestação de cuidados de saúde a uma população maioritariamente envelhecida. «No sábado, chegámos a ter sete pessoas à espera e a mais nova tinha 85 anos», revela.


   Ambos os jovens médicos revelaram detalhes da sua passagem por Estremoz durante a visita que a secretária de Estado da Promoção da Saúde, Margarida Tavares, realizou ao Centro de Saúde esta segunda-feira - inserida na acção «Saúde Aberta» - assumindo a governante a prioridade de fixação de jovens médicos nas regiões de baixa densidade.
 
   Considerou que as autarquias são parceiras estratégicas do Governo neste desígnio. A secretária de estado destaca a importância dos municípios atraírem mais profissionais proporcionando «as melhores condições para que médicos se sintam confortavelmente instalados na região». A governante dá os exemplos do alojamento, creches ou escolas. «Esperemos que possamos abrir aqui vagas atractivas para que estes e outros jovens médicos possam fazer aqui a sua formação ou parte dela.  E que isso ajude a sedimentar o seu gosto pela região, para ficarem cá no futuro», sublinhou.

 
   Já o presidente da Câmara de Estremoz, José Daniel Sádio, aludiu a relevância do Centro de Saúde face à sua situação geográfica. «É vital para o concelho, para a região e para o Alentejo», frisou o autarca, alertando que a unidade funciona como uma «primeira linha de segurança» para vários concelhos vizinhos, como Sousel ou Fronteira, permitindo «aliviar o hospital central de Évora,como também o de Portalegre», resumiu.
 

Artigos Relacionados

« Voltar